Cuidando da sua Saude

Sala de Espera
Pela Vida, Contra as Drogas foi maravilhosa para meus alunos
Data: 08/08/2003
Jovem Pan Pela Vida, Contra as Drogas foi apresentada ontem à noite para alunos de 18 a 50 anos da Escola Estadual Daniel Paulo Verano Pontes, na zona oeste de São Paulo. São estudantes que trabalham durante o dia e cursam o supletivo mantido pela escola à noite. A maioria mora nas favelas próximas. O tráfico de drogas é intenso nessa região. A direção do colégio admite que maconha é a droga usada por “alguns alunos”. Mas esclarece: “muitos estão no processo de libertação das drogas”. Admitir que é viciado e precisa de ajuda são fatos que facilitam o tratamento.Mas não para esses alunos. Na Escola Estadual Verano Pontes não há esse encaminhamento, como revela à campanha da Jovem Pan a coordenadora pedagógica Maria José Souza Monteiro: “A escola não faz este tipo de encaminhamento. Não sei sobre isso. A escola não faz isso.” Outra dificuldade para esses jovens viciados é a falta de vagas para internação na rede pública. São vítimas da falta de ação do poder público contra o crescente aumento do tráfico de drogas em São Paulo. Eles vivem em região de tráfico e não contam com opções na rede pública para tratamento. Parentes, vizinhos de viciados, estão muito próximos de pessoas que foram mortas por dívida com traficantes. Querem sair dessa região, ter uma profissão, proteger irmãos ou filhos. Estudam à noite buscando um futuro melhor. Foi o que revelaram ontem durante a apresentação de Jovem Pan Pela Vida, Contra as Drogas. Eles ouviram o depoimento de um dependente químico recuperado ,de apenas 22 anos e as explicações sobre os efeitos das drogas no corpo, causando alterações de comportamento com o psicólogo André Arouca. Depois, contaram: -Meu nome é Hamilton. Achei ótima a palestra . Uma iniciativa assim pode evitar que pessoas morram como um primo meu morreu m tentando sair das drogas há alguns anos. -Eu sou Jorge, tenho 24 anos. Gostei da palestra. Conheço muita gente que desanda, desandou por causa das drogas. Perdi muitos amigos por causa das drogas.E u não uso. Nunca usei. Adorei o que foi falado aqui. Foi de extrema coragem. Foi muito legal. Enquanto apresentávamos a campanha da Jovem Pan na Escola Estadual Daniel Paulo Verano Pontes , gritos de “vira, vira” invadiam a sala onde estávamos. Eram de alunos da escola vizinha ,a Rio Pequeno, que estavam bebendo às nove e meia da noite, na porta dessa escola pública. Alterados pela bebida, esses estudantes começaram a balançar a viatura da Jovem Pan . A Escola Rio Pequeno divide com a Verano Pontes o mesmo prédio na rua José Joaquim Seabra. Foi preciso muita habilidade do motorista da Jovem Pan, Sérgio Lopes e de um inspetor da escola para convencerem os alunos bêbados a pararem com esse ato de vandalismo. A Ronda Escolar, viatura da polícia que passa pelas escolas públicas, não estava na porta das duas escolas durante a apresentação da campanha da Jovem Pan na Verano Pontes. Os gritos não impediram a apresentação. E no final, a coordenadora do Verano Pontes, Maria José Souza Monteiro classificou de “maravilhosa” a iniciativa pioneira da Jovem Pan: -A droga é o nó na formação dos jovens. A Campanha da Jovem Pan foi maravilhosa. Alertou meus alunos sobre o que pode acontecer para uma pessoa que usa drogas. Quem nunca usou, acho que pode com esta palestra abrir os olhos para o perigo que está do nosso lado, ou muitas vezes, na nossa própria casa. Jovem Pan Pela Vida, Contra as Drogas tem apoio da Lincx-Serviços. É uma campanha que defende: informação é a arma mais poderosa contra as drogas.